Conheça a nova associada: LabStarts.

Diante da urgência trazida pela pandemia, redefinir a oferta de serviços e criar notoriedade no mundo digital tornam-se críticos à sobrevivência das empresas. Segundo, Rosemary Dantas da LabStarts: “Portugal e Brasil estão a acelerar de forma relevante o investimento em inovação e marketing digital e estão diantes da oportunidade ganhar uma nova relevância no cenário global”

CCILB: Na sua perspetiva, Qual é o panorama geral do marketing e da inovação em Portugal e Brasil em comparação com o resto do mundo?

Rosemary Dantas: Os meios digitais estão numa fase de crescimento em Brasil e Portugal. O investimento em digital está em torno de 30% do total investido em meios e a televisão ainda é o principal receptor de recursos nos dois países.

Para ter um contexto global, os Estados Unidos que são o maior e mais amadurecido mercado digital do mundo ocidental, os investimentos em meios digitais são superiores à 50% do total.

Na área de inovação e novos produtos, a Coreia do Sul lidera ao investir 4,23% do pib nesta área e Estados Unidos (2,74%). Brasil e Portugal reconhecem a importância e desenvolveram programas para fomentar a inovação e ambos investem 1,27% do pib nesta área.

CCILB: Diante deste cenário da pandemia, qual será a aposta da LabStarts para para os dois países?

Rosemary Dantas: O lado positivo da pandemia é que o cenário acima está a mudar, Portugal e Brasil estão a acelerar de forma relevante o investimento em inovação e marketing digital e estão diantes da oportunidade ganhar uma nova relevância no cenário global.

Para auxiliar as empresas neste processo, LabStarts está a disponibilizar um serviço de estratégia de crise orientados para PME, onde fazemos uma análise do pacote de serviços do cliente, adaptamos a oferta às restrições existentes, estruturamos a geração de leads online e trabalhamos a notoriedade das empresas no mundo digital.

CCILB: Você pode partilhar connosco a sua experiência em projeto? Quail foi o impacto para o negócio do cliente?

Rosemary Dantas: Partilho a historia de uma empresa de um setor muito tradicional, onde reposicionamos a marca e desenvolvemos uma nova estratégia de canais digitais. Após a implementação do projeto, a empresa teve feedback muitíssimo positivo dos clientes e um boom de contratações de profissionais de topo, o que também trouxe muitos novos clientes.

Para comunicar é necessário definir um benefício objetivo aos produtos, o setor do vestuário e da decoração ilustram esta realidade. Antigamente a qualidade destes produtos era definida em grande parte pela durabilidade, mas marcas como o Ikea e Zara redefiniram qualidade como design e um preço que nos permite repor continuamente a nossa “coleção”.

CCILB: Quais são as recomendações que a Rosemary Dantas faz às empresas estão a se reinventar neste cenário de crise?

Rosemary Dantas: Pensar fora da caixa: Apesar das restrições, ainda há muitas oportunidades. No setor do turismo, por exemplo, vemos muito potencial de crescimento para o turismo rural, mas é preciso restruturar a oferta de serviços e desenvolver uma comunicação que vá ao encontro a esta nova necessidade de mindfulness.

Continuar a comunicar a marca: Este ponto é crucial, por duas razões; 1) Comunicar a nova oferta de serviços, ao “novo consumidor” que surge durante a pandemia; 2) A marca deixa de comunicar em tempo de crise passa a mensagem de que é como aqueles amigos que só aparecem quando a vida está a correr bem.

Apostar em conteúdo: No mundo digital, o que define o alcance de um conteúdo é a sua relevância para o mercado-alvo, e o modo como comunica uma conceito, e neste momento, as redes sociais influenciam 93% das nossas decisões de compra. 

Analisar Dados: Para ser relevante, é fundamental olhar para os dados que conseguimos extrair das redes sociais e do Google. A experiência nos diz que o que as empresas consideram relevante nem sempre coincide com as prioridades dos seus consumidores.

Saiba mais: https://www.labstarts.com

Fonte: Redação